Cada vez mais os mercados de produção de cinema, tv e publicidade se abrem no mundo
todo para experimentar novas tecnologias. Muitas vezes utilizando os mesmos
equipamentos que temos na nossa mochila. Afinal, nos últimos anos, as tecnologias e
possibilidades técnicas têm evoluído tanto, que não se faz tão necessário gastar milhares de dólares em câmeras, lentes e acessórios para se ter grandes resultados.

No Brasil uma pessoa que tem se destacado no aproveitamento dessas novas tecnologias é o Bruno Miguel. Ele ganhou recentemente 8 prêmios internacionais e mais de 12 nacionais, incluindo o Oscar da publcidade Cannes Lions e o maior prêmio dos Estados Unidos, Clio Awards. Bruno Miguel também assina campanhas para a Coca-Cola, Texaco, Google, GOL, Fox, Amil, Dominos e Pizza Hut.

Tim – Mesa Redonda
Setup: 5 Cameras A7s2 ( Lentes sigma Art ) + Shogun

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Bruno Miguel foi um dos pioneiros a quebrar essa barreira no mercado publicitário e introduzir em grandes produções, cameras de baixo custo como a sony A7s e lentes como a

série SIGMA ART. – “Quando voce pega um filme de 500 mil reais e propõe filmar com uma
camera que custa menos de 3 mil dólares, pensam que você ficou louco.” – Afirma o diretor.
Mas suas escolhas técnicas eram fundamentadas por outros fatores. Bruno não queria
utilizar a A7s por seu valor de custo, mas porque enxergava nesse equipamento vantagens
que eram importantes pra cada projeto. E Bruno fala com propriedade, já que também é
Diretor de Fotografia associado a ABC e ganhou o prêmio de melhor fotografia de comercial
no prêmio Colunistas 2017 com seu filme Judô para a Infraero.- “ A portabilidade nos
permite riggar a camera de formas mais criativas. O tamanho grande do sensor faz toda a
diferença quando filmamos por exemplo, dentro de uma loja, como fizemos recentemente
para a Casa e Vídeo, e para a campanha da Rede Unno de Supermercados com a apresentadora Ana Maria Braga. Como não podemos deixar aparecer no comercial final,
nenhuma marca de produto, o único jeito é desfocar”. Em certo filme para o Jornal Extra, o
diretor tentou filmar uma cena de natureza mais escura e baixa luminosidade com uma RED e ficou assustado com a presença do noise/ruído proveniente do sensor. “A RED é uma
camera maravilhosa, mas definitivamente não é a melhor opcão para um cenário de pouca
luminosidade.”. A Sony a7s2 foi a grande solução, já que o sensor da câmera foi desenvolvido pensando em ter melhores resultados em baixas condições de luz.

Infraero – Olympic Judo
Setup: Camera A7s2 ( Lentes sigma Art ) + Shogun

O pulo-do-gato ficou por conta de um aprofundado estudo de workflow, que compreendia
desde a escolha no formato de gravação, até as diretrizes que definiriam o melhor caminho
de color correction e color grade na pós-produção. Trabalhando ao lado de grandes nomes
da Direção de Fotografia como Marcelo Brasil ( Polícia Federal: A Lei é para Todos ),
Flavio Zangrandi ( Rock In Rio ), Jacques Cheuiches ( Edificio Master, Uma professora
muito maluquinha ), Bruno estudou e desenvolveu um workflow ideal através de muitos
testes e estudos, e o resultado você vê em muitos filmes que estão passando agora na
tv. – “ As vezes os clientes questionam e estranham quando percebem os equipamentos,
mas aí voce logo mostra pra eles resultados incríveis feitos com esses equipamentos e
logo eles se sentem seguros ”.
A escolha de lentes também é sempre avaliada considerando opções que inicialmente estariam fora do páreo. O mercado tem inclinação para Arri Master Primes, Cooke, Zeiss e Angieneux, mas a gente colocou no dia-a-dia do mercado as lentes da série Leica-R, as incríveis Sigma Art e as vezes até a ótica da própria Canon ( Serie L e CNE cine ).

Fizemos filmes lindíssimos como a série “Tempo de voar para a Gol”  e o filme para a Secretaria de transportes  usando equipamento de baixo custo, como a Sony a7s2, lentes sigma art 1.4 e o shogun inferno. – “A tecnologia já está tão avançada, que agora basta estudarmos a melhor forma de obter o melhor resultado.”
Temos hoje em dia, 20x mais tecnologia do que havia a 15 anos atrás, e usando de
forma certa é possível chegar a resultados incríveis.

O Rafael Kent, também tem usado muito a a7s2 e suas produções e o resultado é sempre incrível.” – comenta Bruno, sobre seu colega diretor que tem feito filmes para a Skol e McDonalds. A campanha-série “NA BOA“ – Feita para a CERVEJA ANTARCTICA pela 02 filmes, também têm usado A7s2 com lentes de cinema, e o resultado é fantástico, do ponto de vista técnico e do artístico.
Eu tambem já usei a Sony A7s e A6500 em varios longas metragem que tiveram participação nos mais importantes festivais de cinema do Brasil como Festival de Brasilia do cinema Brasileiro concorrendo com outras 54 produções que usaram ARRI, Festival de Cinema de São Paulo e Rio, entre outros festivais e 2 deles chegaram a estriar em diversas salas de cinema em vários estados

Os  videos do Bruno podem ser conferidos no site de sua produtora moviemachine.com.br

Este slideshow necessita de JavaScript.