Os Artistas independentes poderão desaparecer do YouTube em poucos dias, após o serviço de vídeo do Google confirmar que desistiu de conteúdo de gravadoras independentes que não se inscreveram no seu novo serviço de música por assinatura.

O YouTube prepara-se para lançar um novo serviço streaming de música pago, livre de anúncios, que pode vir a bloquear os vídeos de artistas e editoras independentes que não aceitem as condições da nova oferta.
Cerca de 10% de todo o universo discográfico será abrangido por esta decisão do YouTube, que está a ser acusado de abuso de posição dominante ao querer obriga-los a aceitar os novos termos do serviço de streaming.

O novo serviço de streaming do YouTube, para o qual ainda não se conhece data de lançamento, permitirá aos utilizares visualizarem vídeos e ouvir música no portal sem qualquer publicidade, sendo este um serviço pago.
Para que tal venha a acontecer, a empresa da Google já fez acordos com uma série de grandes produtoras que as inscreve na nova oferta. Ao todo, cerca de 90% do universo discográfico já assinou o acordo.
Nesse acordo, segundo avança o Finacial Times, é explícito que os artistas e editoras que não assinem o acordo possam vir a ser bloqueados em toda a plataforma, quer seja no serviço gratuito, quer no novo, o pago.
Robert Kyncl, director de operações de conteúdo e de negócios do YouTube, confirma que o serviço pretende bloquear vídeos de alguns artistas ou editoras que não tenham assinado os termos do novo serviço pago, “para garantir que todo o conteúdo da plataforma é regida pelos novos termos contratuais”.
Nomes como Adele e Arctic Monkeys poderão, desta forma, ser afastados da plataforma, que garante, que através desta decisão estarão a garantir aos utilizadores uma “experiência musical surpreendente” e ainda uma fonte de receitas para a indústria musical.
The Brit Awards, Show, O2 Arena, London, Britain - 21 Feb 2012

fontes: pplware.sapo.pt/
theguardian.com

6 COMENTÁRIOS

  1. Também vejo erros de Português e isto me incomoda muito, independente da nacionalidade de quem escreve ser húngara ou de outro planeta. O fato é que poucas pessoas, aparentemente, se queixam disto. Queixo-me sempre, pois acho obrigação de quem escreve tornar a leitura compreensível e agradável ao leitor, além de podermos, de certa forma, concluir sobre o grau de instrução do autor do texto.

    Quanto à matéria escrita, creio que o Vimeo e Daily Motion são excelentes alternativas. Estou migrando todos os meus vídeos para este, pois, até agora, não se demonstrou burocrático.