Embora estejam chegando ao mercado novas câmeras com ótima qualidade na gravação em RAW como a Canon C200 ($7499 USD) ou a Panasonic  EVA1 ($7345 USD), a Blackmagic Mini Ursa Pro ($5995 USD) continua sendo uma excelente escolha para quem quer usar em videoclipes, publicidade, cinema e documentários.

A Ursa Mini Pro é ainda uma boa opção não só pelo preço e robustez mas também pelos formatos de gravação.
Comparando com a câmera que temos mais informação, a Canon C200 , temos duas formas de gravação, ou um super pesado Cinema Raw Light que só pode ser gravado em 4k em 12-bit ou 10-bit, com um Bit Rate de 1 Gbps ou MP4 com os fracos 8–bit e Bit Rate: 150 Mbps e em full HD Bit Rate: 35 Mbps, um valor menor que o temos nas DSLR da Canon. Já a Ursa Mini Pro nos oferece diversas possibilidades de gravação em RAW, de 4608 x 2592 a 2048 x 1152 com ou sem compressão com taxas de 513 MB/s a 135 MB/s em RAW e em vez de gravar em MP4 a Mini Pro tem como opção a gravação em Apple ProRes, também com diversas opções de 444 XQ – 312.5 MB/s a Proxy – 22.4 MB/s

Uma das característica que gosto na Blackmagic é a textura e recorte da imagem, so fica a desejar nos valores de ISO, no entanto, com a Ursa Mini Pro, o ISO tem uma melhora significativa e é aceitavel trabalhar com ISO a 1600, que, para quem trabalha em RAW consegue ir buscar luz como se se fosse gravado a ISO 8000.

Seguem alguns exemplos de teste de ISO com a  Ursa Mini Pro:

COMPARTILHAR
Premiado Diretor de Fotografia e filmmaker que vive em Bauru, São Paulo Estudou cinema na New York Film Academy; AIC Academia Internacional de Cinema de São Paulo. Fez Direção de Fotografia de diversos Longas Metragens e Documentários que foram exibidos na TV e participaram em festivais nacionais como Festival de Brasilia, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival de Gramado, É tudo Verdade e festivais internacionais como: Festival Internacional Fronteiras, Festival de Cinema Los Angeles, Festival Internacional Del Nuevo Cine Latino-Americano Havana/Cuba, Cineteca Nacional do México, Festival FILMAR (Genebra/ Suíça ), Festin em Lisboa/Portugal. Destaque para o filme "Fome" que entrou em cartaz em 2016 em 10 cidades em 7 estados.