O Ministério da Cultura anunciou, no dia 7 de Setembro, um investimento conjunto com a Agência Nacional do Cinema (Ancine), por meio do Fundo Setorial Audiovisual (FSA), de R$ 94 milhões destinados a produtoras e programadoras de conteúdo para televisão nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Outros R$ 6 milhões serão destinados para a região Sul e os estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Maiores polos econômicos e culturais do país, São Paulo e Rio de Janeiro ainda são os principais produtores de conteúdo audiovisual brasileiro. Mas a Ancine (Agência Nacional do Cinema) vai investir pesado para que outras regiões comecem a ganhar espaço nesse mercado. A ideia é destinar R$ 100 milhões por ano para a produção de séries fora do eixo.

Os R$ 100 milhões serão alocados neste semestre na linha de investimento Prodav 02, da Ancine. De acordo com o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, a Lei 11.473/2006 destina 30% dos recursos do FSA a produtoras brasileiras estabelecidas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, porém o percentual não é cumprido. “O objetivo é promover o desenvolvimento regional e assegurar os recursos previstos em lei para essas regiões”, afirmou.

Durante a MAX (Minas Gerais Audiovisual Expo), feira de fomento à produção criativa brasileira que acontece em Belo Horizonte até este sábado (26), a diretora-presidente da Ancine, Debora Ivanov, mostrou uma nova política de descentralização.

Na proposta, aprovada pelo comitê-gestor do órgão federal em julho, produtoras não localizadas no Rio ou em São Paulo terão uma dedução adicional de 50% do valor de pré-licenciamento de seus conteúdos para programadoras do eixo.

Ou seja: emissoras terão desconto se comprarem programas feitos em regiões menos populares. Também será estimulada a coprodução entre realizadoras de Rio e São Paulo com as de outros Estados.

Segundo dados apresentados por Debora, o Brasil tem mais de 9 mil produtoras de conteúdo. Dessas, 3.488 estão em São Paulo e 1.840 no Rio de Janeiro. Mais de 50% das realizadoras estão concentradas em dois Estados. Terceiro colocado, o Rio Grande do Sul tem apenas 574.

“Essa discrepância é notável e precisa ser reduzida. Por isso, estamos incentivando a descentralização da produção”, disse Debora. Dos R$ 100 milhões destacados, R$ 94 milhões irão para as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A região Sul e os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo dividirão os outros R$ 6 milhões.

Por lei, 30% do valor do FSA (Fundo Setorial Audiovisual) é destinado às regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, enquanto 10% vai para Sul, Minas e Espírito Santo. Porém, esses percentuais dificilmente são cumpridos pelas produtoras locais e a verba acaba se perdendo.

“Acho importante valorizarmos as produções regionais porque representam a riqueza da nossa cultura e reafirmam a identidade de cada área”, discursou Debora.

Na sexta (25), um painel da MAX abordou um exemplo de produção regional bem-sucedida: o especial de fim de ano Santino e o Bilhete Premiado, feito pela Solo Filmes, do diretor Guilherme Fiúza Zenha, e exibido pela Globo Minas no ano passado, com curadoria artística de Jayme Monjardim.

A ideia de descentralização parece ser bem aceita entre players importantes do mercado. Diretora de conteúdo original do grupo A&E, Krishna Mahon parabenizou a Ancine. “Nós já fizemos alguns programas fora do eixo e rendem resultados interessantes. Se esse incentivo gerar mais produções, será muito bem-vindo”, disse.

Luca Paiva Mello e Roberto Martha, da Scriptonita Films, também valorizaram a iniciativa. “Estamos desenvolvendo projetos com uma equipe do Piauí. Em termos de cultura regional, é uma das coisas mais empolgantes que eu já fiz”, adiantou Luca.

COMPARTILHAR
Premiado Diretor de Fotografia e filmmaker que vive em Bauru, São Paulo Estudou cinema na New York Film Academy; AIC Academia Internacional de Cinema de São Paulo. Fez Direção de Fotografia de diversos Longas Metragens e Documentários que foram exibidos na TV e participaram em festivais nacionais como Festival de Brasilia, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival de Gramado, É tudo Verdade e festivais internacionais como: Festival Internacional Fronteiras, Festival de Cinema Los Angeles, Festival Internacional Del Nuevo Cine Latino-Americano Havana/Cuba, Cineteca Nacional do México, Festival FILMAR (Genebra/ Suíça ), Festin em Lisboa/Portugal. Destaque para o filme "Fome" que entrou em cartaz em 2016 em 10 cidades em 7 estados.

21 COMENTÁRIOS