Johnnie Behiri Filmou para a National Geographic o “Explorando o Planeta” uma aventura no deserto com a 7D. “Ser um cinegrafista e editor freelancer me dá a liberdade de aceitar outros projetos interessantes quando não estou trabalhando para a BBC”, explica ele.

Quando a National Geographic o contactou e lhe pediu para fazer um filme para o programa “Explorando o Planeta”, Johnnie não teve dúvidas de que a Canon 7D era a câmera certa para o trabalho.

A tarefa que lhe deram foi produzir, dirigir, filmar e editar um curta-metragem para ser apresentado nas megastores da National Geographic, exposições e em pontos de promoção dos distribuidores. A ideia principal era manter o espírito NatGeo, apesar de estarem falando de um produto comercial.

Um orçamento e um cronograma muito apertados para a produção foram definidos. E a primeira tarefa foi encontrar um local apropriado para a filmagem. Era preciso buscar um lugar que se parecesse com um deserto internacional. Assim, se conseguisse alguns lugares que se parecessem com este deserto, seria ainda melhor se, para acessar este local, não fosse necessário fazer uma longa viagem.

Outra questão que necesserariamente deveria ser observada é que era necessário um deserto que permitisse um fácil acesso e onde a barreira lingúistica não se transformasse em um grande problema. O motivo é que a National Geographic possui uma rigorosa politica relacionada aos direitos autorais. Qualquer pessoa ou coisa que se mova diante da câmera deve dar permissão para ser filmado. A regra inclui as marcas (no caso de Johnnie a Land Rover e a Canon) filmadas que devem dar permissão para que seus produtos sejam mostrados no vídeo.

O lugar escolhido foi o deserto de Negav, em Israel. Foram planejados três dias de filmagem e sabia-se de antemão que os dias seriam curtos e as noites frias. Como não podia sair do orçamento/cronograma nem se deslocar para Israel com antecedência para fazer os preparativos da pré-produção, Johnnie confiou na sua experiência anterior, quando filmou em Israel e encontrou um guia do grande deserto que pode lhe mostrou lugares parecidos com os que imaginou.

A equipe era mínima, nas filmagens, muitas vezes, contava-se com apenas duas pessoas da NatGeo, o guia do deserto, os dois atores e ele. O uso da 7D permitiu uma rápida filmagem, graças a sua flexibilidade e peso. A câmera sobreviveu, fez gravações sem problemas no calor das areias do deserto (em uma experiência anterior, quando filmava a 50 quadros por segundo, apareceu o problema de superaquecimento).

As fotos aéreas (00:29) foram feitas com lente Canon 17-55mm e com estabilizador ligado. Johnnie salienta que não foi fácil filmar no aviso sem porta e com o vento soprando fortemente. A sequência de Time lapse (03:53) foi feita com lente Tokina 11-16mm f2.8 e essa foi sua primeira experiência.

Equipamento:
Camera: Canon 7D
Lentes:
Tokina 11-16mm f2.8 AT-X
Canon EF-S 17-55mm f2.8 IS USM
Canon EF 70-200 f2.8L USM
Samyang 85mm f1.4
Samyang 8mm f3.5
Filtros:
Vari-ND Vari-ND
Formatt filters graduated ND 0.3/0.6/0.9
Microfone: Rode SVM stereo
Tripé: Manfrotto 756XB com 701HDVminihead
Luz: Litepanels 1×1
Baterias: 4 Canon E-6
Cartões de memória:
1 Kingston 133X 32GB
3 Sandisk extreme III 8GB CF

Netbook e HD externo da WD
JENIS TC-80N3 para o time lapse

Edição foi feita em Adobe Premiere CS2
Todos os arquivos foram convertidos com Cineform antes de editar, plugin 4k Prospect.
Ligeira correção de cor e cores .


3 COMENTÁRIOS

  1. Podem falar o que for da 7D, mas tenho um e estou super satisfeito…

    Minhas filmagens ficam exatamente assim, e as fotos são magníficas…E olha que eu só tenho UMA lente (Canon 28-200), por falta de $$$, e tenho de usá-la para tudo, mas mesmo assim, não tenho do que reclamar…

    Custo x Benefício IMBATÍVEL…Canon arrebenta…

    Abraços