Uruguai com “La casa muda” de Gustavo Hernández e França “La Guerre est Déclarée” de Valérie Donzelli tem em comum a escolha de produções que foram totalmente captadas com a Canon 5D mark II. A Bósnia e Herzegovina escolheu o filme “Belvedere” de Ahmed Imamovi?, que usou a Canon 5D mark II para as cenas a preto e branco.
Podem falar que o resto dos 60 filmes tiveram na maioria o uso de RED ou outra câmera, até pode ser verdade, mas o que fica é que nunca foi tão barato realizar um filme de qualidade.

Quanto aos filmes:
Uruguai – “La casa muda” de Gustavo Hernández (pode ver aqui a matéria completa que escrevi em junho 2010)
Uma Canon 5D mark II, US$ 6 mil e quatro dias de filmagem foram suficientes para o uruguaio Gustavo Hernández (na foto) filmar La Casa Muda, longa experimental de terror escolhido para participar do Festival de Cannes. Enquanto rodava a película com uma equipe de não mais de 15 pessoas, Hernández se conformava em “fantasiar” com a estreia de seu filme em algum cinema do Uruguai. Agora, seis meses depois, ele foi selecionado para participar da Quinzena dos Realizadores e embarca dia 15 de maio rumo à riviera francesa.
“La Casa Muda” foi produto de uma limitação orçamentária”, disse Hernández em entrevista à Agência Efe. Os US$ 6 mil que um produtor lhe ofereceu para estrear como diretor o obrigaram a pensar em um longa-metragem que precisasse de “pouca gente, poucos recursos e que pudesse ser filmado em pouco tempo”, explicou Hernández, que até então tinha dirigido apenas videoclipes, anúncios para televisão e curtas-metragens. O gênero de terror não era o que mais lhe atraía, mas após “várias conversas com amigos” uma idéia parecia solucionar seus problemas econômicos: oferecer “medo real em tempo real”.
“Se tratava de fazer, com uma equipe mínima, uma história mínima, e então pensamos em contar o que acontece com qualquer pessoa quando sentimos medo, quando temos todos os sentidos em alerta e os segundos podem parecer horas”, relatou.
Inspirado em uma história real da década de 1940, quando dois corpos foram encontrados mutilados em uma casa de campo no norte do Uruguai, La Casa Muda foca os últimos 74 minutos das vítimas do assassinato. “Queríamos que o espectador vivesse as emoções sem enganá-lo com vários planos e contraplanos, e decidimos rodá-la em uma só tomada”, contou Hernández.

França – “La Guerre est Déclarée” de Valérie Donzelli
“A guerra está declarada”, não contra um povo vizinho, e sim contra o câncer de um bebê recém-nascido. Um recito autobiográfico, catártico, saturado de cores e sons.

As primeiras imagens mostram um garoto com uma leve paralisia facial, aparentemente em bom estado de saúde. Esta representação do tempo presente é interrompida e somos lançados à “guerra” instaurada antes de ele atingir este estado físico. A primeira grande escolha deste filme não é estética, e sim moral: ao invés de esconder do espectador o final da história (o garoto sobreviverá ou não?), a resposta é dada logo nos primeiros minutos. Ou seja, este é um filme em que interessam os meios, e não os fins.(fonte: Discurso de Imagem)

Bósnia e Herzegovina – “Belvedere” de Ahmed Imamovi?

Lista dos pré-nomeados ao Óscar 2012 de Melhor Filme Estrangeiro

África do Sul – “Skoonheid” de Oliver Hermanus
Albânia – “Amnistia” de Buyar Alimani
Alemanha – “Pina” de Wim Wenders
Argentina – “Aballay el Hombre sin Miedo” de Fernando Spiner
Áustria – “Atmen” de Karl Markovics
Bélgica – “Rundskop” de Michaël R. Roskam
Bósnia e Herzegovina – “Belvedere” de Ahmed Imamovi?
Brasil – “Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora É Outro” de José Padilha
Bulgária – “?ilt” de Viktor Chouchkov
Canadá – “Monsieur Lazhar” de Phillipe Falardeau
Cazaquistão – “Returning to the A” de Egor Mikhalkov-Konchalovsky
Chile – “Violeta se Fue a los Cielos” Andrés Wood
China – “The Flower of War” de Zhang Yimou
Colômbia – “Los Colores de la Montaña” de Carlos César Arbeláez
Coreia do Sul – “The Front Line” de Jang Hung
Croácia – “Sedamdeset i dva dana” de Danilo Šerbedžija
Cuba – “Habanastation” de Ian Padrón
Dinamarca – “SuperClásico” de Ole Christian Madsen
Egipto – “Lust” de Khaled El Hagar
Eslováquia – “Cigán” de Martin Šulík
Espanha – “Pa Negre” de Agustí Villaronga
Estónia – “Letters to Angel” de Sulev Keedus
Filipinas – “Ang Babae Sa Septic Tank” de Marlon Rivera
Finlândia – “Le Havre” de Aki Kaurismaki
França – “La Guerre est Déclarée” de Valérie Donzelli
Geórgia – “Chantrapas” de Otar Iosseliani
Grécia – “Attenberg” de Athina Rachel Tsangari
Holanda – “Sonny Boy” de Maria Peters
Hong Kong – “A Simple Life” de Ann Hui
Hungria – “The Turin Horse” de Béla Tarr
Islândia – “Eldfjall” de Rúnar Rúnarsson
Índia – “Adaminte Makan Abu” de Salim Ahamed
Indonésia – “Under the Protection of Ka’Bah” de Hanny R. Saputra
Irão – “Nader and Simin, A Separation” de Asghar Farhadi
Irlanda – “As If I Am Not There” de Juanita Wilson
Israel – “Footnote” de Joseph Cedar
Itália – “Terraferma” de Emanuele Crialese
Japão – “Postcard” de Kaneto Shindõ
Líbano – “Et Maintenant, on va où?” de Nadine Labaki
Lituânia – “Kai Apkabinsiu Tave” de Kristijonas Vildži?nas
Macedónia – “Punk’s Not Dead” de Vladimir Blazevski
Marrocos – “Omar m’a tuer” de Roschdy Zem
México – “Miss Bala” de Gerardo Naranjo
Noruega – “Sykt lykkelig” de Anne Sewitsky
Nova Zelândia – “O Le Tulafale” de Tusi Tamasese
Peru – “Octubre” de Daniel Vega Vidal
Polónia – “In Darkness” de Agnieszka Holland
Portugal – “José e Pilar” de Miguel Gonçalves Mendes
Reino Unido – “Patagónia” de Marc Evans
República Checa – “Alois Nebel” de Tomás Lunák
República Dominicana – “La hija natural” de Leticia Tonos
Roménia – “Morgen” de Marian Crisan
Rússia – “Burnt by the Sun 2: Citadel” de Nikita Mikhalkov
Sérvia – “Montevideo, bog te Video” de Dragan Bjelogrli?
Singapura – “Tatsumi” de Eric Khoo
Suécia – “Beyond” de Pernilla August
Suíça – “Giochi d’estate” de Roland Colla
Tailândia – “Kon Khon” de Sarunyu Wongkrachang
Taiwan – “Seediq Bale” de Wei Te-Sheng
Turquia – “Once Upon a Time in Anatolia” de Nuri Bilge Ceylan
Uruguai – “La casa muda” de Gustavo Hernández
Venezuela – “El rumor de las piedras” de Alejandro Bellame Palacios
Vietname – “Thang Long Aspiration” de L?u Tr?ng Ninh

1 COMENTÁRIO