Mais uma vez uma nos Estados Unidos os cinegrafistas e fotógrafos tem problemas com a polícia por estar fazendo seu trabalho, umas vezes por culpa própria mas a grande maioria por falta de cuidado dos policiais.

Vários casos tem vindo a público, desde uma equipe que estava gravando um clipe e foi confundida com assaltantes, o  jovem baleado com 23 tiros porque o celular foi confundido com uma arma e agora este caso que ocorreu em Setembro de 2017 em que o fotografo de noticias Andy Grimm ao retirar os equipamentos do carro para tirar fotos durante uma tempestade próximo a um farol de transito foi ferido a bala por um policial. O tiroteio aconteceu quando o policial aparentemente confundiu a câmera e o tripe do fotografo com uma arma de fogo. Ele acusa o policial de atirar sem nenhum aviso e moveu uma ação contra o condado .

O mais espantoso neste caso é que agora os advogados dizem que não apenas as ações do policial foram “razoáveis”, mas que a “negligência de Grimm contribuiu para causar os ferimentos”.

Advogados do condado de Clark alegam que as ações do policial Shaw foram razoáveis e que Grimm é responsável por causar o tiro que o deixou seriamente ferido no ano passado:

“Os réus declararam justo ter parecido ao policial Shaw que Andrew Grimm possuía uma arma de fogo, sob as condições que estavam, apontada pra ele e no curso e no escopo de seu dever, e de boa fé, teve que tomar uma decisão em frações de segundo para proteger o público e ele próprio de dano mortal eminente . O próprio autor Andrew Grimm e sua negligência comparativa e / ou assunção do risco podem ter causado ou contribuído para causar as lesões e danos de que ele se queixa.

O tiroteio aconteceu quando Grimm parou em seu jipe para tirar fotos de um “Pare” no trânsito. O delegado Shaw o viu puxando um tripé da traseira do veículo e atirou nele depois de presumir que era uma arma. Grimm diz que antes disso, ele acendeu as luzes e acenou para o policial, a quem ele conhecia pessoalmente.

O processo alega ainda que a esposa de Grimm, Melanie, e o New Carlisle News sofreram perda nos negócios depois que as autoridades policiais os retaliaram. O Departamento de Investigações Criminais do Ohio ainda está investigando o tiroteio.