300bannerSitePouco mais de 4 anos após seu lançamento, o Final Cut Pro X ainda não retornou ou patamar que estava na indústria de edição de vídeos profissionais. Até mesmo a Apple que o criou está abandonando o software no seu workflow.

Muitos editores ávidos por novidades mudaram do Windows para o Mac e voltaram em seguida para o Adobe Premeire Pro após usarem uma única vez o Final Cut Pro X.

Aparentemente nem mesmo a Apple hoje em dia está a favor do seu próprio programa Final Cut Pro X. Em um dos seus classificados de emprego enquanto se exigia conhecimento profundo e experiencia nessa posição, um requisito em particular parece não ter sido mencionado.

Confira abaixo os requisitos para a vaga divulgados pela empresa:

apple_job_requirements

Você conseguiu encontrar Final Cut acima? Nem eu.

O programa de edição de vídeo deixou muitas decepções depois do seu lançamento no ano 2011. Enquanto Final Cut Pro X até atende a necessidade de um consumidor amador, simplesmente não atende as exigências da edição profissional de vídeos.

 

Fonte: theverbe e Fstoppers

 

15 COMENTÁRIOS

  1. Discordo que ele não atenda a demanda de esitores profissionais. Acho apenas que a estranheza dele afastou mta gente, mas pouquissimos tiveram a vontade de estudar e entende-lo.
    Quando abri a primeira vez, olhei e fechei depois de 2 min. Depois me forcei a entende-lo e vejo o quão bom, rapido e eficiente ele é. Acho ele extremamente inteligente, alia o profissional e o amador, coisa que incomoda mta gente.

  2. Final Cut Pro não é para profissionais assim como o iPad pro não é para profissionais, é apenas uma ferramenta bonita. Uso sim ele rotineiramente, mas quem pulou para DaVinci Resolve ou programas equivalentes sabem a diferença. Infelizmente na notícia esqueceram de citar o Apple Colour, que claro, a apple matou e dizem eles que ''integraram'' com o FCPX. Não citaram também o Logic Pro para tratamento de áudio, o que claro, é uma grande piada se comparado com o Adobe Audition e o ProTools que são ferramentas padrão da indústria de cinema.

  3. Eu entendo os profissionais que desprezam o FCPX. Também me decepcionei, pois aprendi a montar no 7 e virei um montador profissional utilizando e ensinando a usar o 7. Assinei minha primeira montagem profissional em 2003, com o curta Oscar Boz, montado no FCP7 e dirigido por Jorge Furtado. Em 2011, resolvi aprender o Premiere e o Avid antes de dar uma chance ao X. Consegui fazer as pazes com ele 4 anos depois do lançamento, e já montei alguns curtas e documentários nesse timeline magnético. Virou meu software preferido. Atualmente estou montando o segundo longa-metragem com o X. O primeiro longa que montei nele, Yonlu – O Filme, recebeu na semana passada o prêmio de melhor filme de diretor estreante pela ABRACCINE (Associação de Críticos de Cinema Brasileiros) na 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Se isso não é “atender as exigências da edição profissional de vídeos”, não sei o que é ser profissional e nem o que atende as suas exigências. Tem que ter paciência para re-aprender a fazer o que já se sabe. Não parece fazer sentido algum perder tempo com isso, mas no meu caso descobri que ganhei muito mais tempo do que perdi. A edição no X elimina uma enormidade de operações inúteis que os outros softwares nos impõem. Consigo fazer em um dia o que levaria três pra fazer no Avid ou Premiere. A ferramenta praticamente desaparece enquanto você só se preocupa em contar a sua história. Enfim, essa foi a minha experiência com o X. Acho que cada um escolhe a ferramenta que se sente mais confortável pra usar. Só acho que desqualificar o X como amador já não faz mais muito sentido atualmente. Pode ser diferente dos outros, você pode gostar ou desgostar, mas não pode dizer que não atende o uso profissional porque já existem usuários profissionais em número suficiente para provar o contrário. Segue o trailer do Yonlu para vossa apreciação:https://www.youtube.com/watch?v=H97QDnZiHY8