A idealizadora desta mesa foi Vera Hamburguer, que esteve presente na platéia. A idéia inicial foi reunir diretores de fotografia, finalizadores, animadores e pós-produtores em geral para discutir o papel de cada um numa produção cinematográfica. O painel discutiu onde termina o papel do diretor de arte e onde começa o trabalho do finalizador para refletir se estes dois profissionais não deveriam se comunicar mais durante os processos de pré, produção e pós-produção.

Adrian Cooper começou a mesa de discussão dizendo que os efeitos especiais não são uma novidade no cinema, já que desde a década de setenta já era possível perceber efeitos em filmes como Star Wars, WestWorld entre outros. No Brasil, a sofisticação desta técnica veio com a publicidade, que incorporou as técnicas de animação e efeitos especiais com mais facilidade e rapidez . Adrian utilizou o exemplo do filme “O Coronel e o Lobisomem” de Maurício Farias, para iniciar uma discussão sobre a inclusão do efeito especial no longa metragem brasileiro e nos contou como lhe parecia estranha a inclusão de um lobisomem, todo em 3D. “Neste filme, o lobisomem parecia fora de época, senti que havia algo “estranho” naquele efeito”, diz Adrian. A partir disso iniciou um trabalho com o finalizador e então chegaram a um “meio termo” sobre qual deveria ser a luz certa, o tom, etc. Esta situação é recorrente no cinema, pois ainda há uma lacuna entre o diretor de arte, muitas vezes confundido com o cenógrafo, e a pós-produção.

Mateus Santos (sócio e diretor de criação da agência Lobo) e Guido (Agência Tribo), apresentaram aos participantes alguns cases onde houve a utilização parcial ou integral dos recursos de animação. Um dos cases apresentados por Guido foi do longa Quincas Berro Dágua, dirigido por Sérgio Machado que acaba de entrar em cartaz, onde algumas cenas utilizaram CG, com a participação do diretor de fotografia, Adrian Cooper.

O efeito especial para longa metragem, diz Adrian, é muito difícil de ser “camuflado”. “É complicado criar uma imagem invisível para formatos grandes como no cinema”. Na publicidade, diz Guido, “você pode optar por looks e abusar do fantástico”. Já no longa, a pós produção tem uma responsabilidade de fazer estas inclusões e efeitos passarem desapercebidas. Guido completa dizendo que o extrafantástico têm sido muito bem aceito pelo público, que no geral está mais aberto a efeitos especiais e isto gerou uma corrida tecnológica nas produtoras em geral. “Contudo ainda temos a indústria cinematográfica conduzindo as novas tecnologias e criação de softwares, já que as agencias de publicidade tem pouco tempo e seu trabalho é mais “dinâmico”.

Ana Mara Abreu, uma das mediadoras desta mesa, finalizou a discussão levantando mais uma vez a atenção ao fato de ser de extrema importância ter um diretor de fotografia trabalhando em conjunto com o produtor de efeitos no processo de criação e finalização de um job. Vera Hamburguer chamou a todos os diretores de arte e finalizadores para trabalharem em parceria, pois isso evitaria o excesso e repetição.

fotos: Mujica

Fonte : http://www.abcine.org.br