O filme independente “LIKE CRAZY”,gravado com a Canon 7D, foi apresentado na semana passada no mais importante festival de cinema independente o “Festival Sundance de Cinema” e foi vendido para a Paramount, por US$ 4 milhões!

O filme narra a história de amor vivida por dois jovens, Jacob (Anton Yelchin), um estudante universitário americano, e Anna (Felicity Jones), uma cidã britânica estudando em Los Angeles.
Após a formatura em Los Angeles ela teria que regressar ao Reino Unido mas decide ficar com Jacob, mesmo com o seu visto de estudante vencido.
Conseqüentemente impedida de ficar nos Estados Unidos é obrigada a regressar. A partir dai tentam manter uma relação à distancia.

O filme produzido pela Super Crispy Entertainment, finalizado na Hollywood-DI, Los Angeles e dirigido por Drake Doremus, foi vendido logo após sua apresentação na seleção “U.S. Dramatic Competition” no Sundance Film Festival 2011.

A produção utilizou uma Canon 7D com adaptador para lentes PL. A fotografica ficou a cargo de John Guleserian.

O diretor Drake Doremus estava determinado a encontrar uma câmera que lhe desse liberdade e flexibilidade para conseguir capturar seu filme do jeio que tinha pensado. Queria aproveitar o elenco jovem e dar-lhes liberdade para improvisarem, deixa-los ir com o fluxo, sem ter que parar as câmeras a cada dois minutos para trocar de rolo. A 7D dava-lhes dez minutos, que era o tempo necessário. Para ele foi fantástico deixar a cena correr sem se preocupar com o orçamento. Os atores também adoraram a chance de atuarem sem perderem muito tempo e experimentarem diferentes abordagens.
Tambem devido ao tamanho da 7D conseguiram planos que não conseguiriam com outras câmeras.
Filmaram durante 24 dias ao estilo “chegar e filmar”.
As lentes alugadas foram as Zeiss Super Speed para o adaptador PL.
O diretor de fotografia afirma que já tinha feito vários videoclips com a 7D, mas trabalhar com lentes PL deu-lhes uma imensa qualidade à imagem e a profundidade de campo que precisavam para contar a história. “Eu era capaz de usar os equipamentos de câmera em muitos lugares onde uma câmera do sistema maior teria sido impossível – ou muito mais caro. À luz baixa a capacidade do HDSLRs é realmente surpreendente. ”

Para a edição foi usado um Apple iMac com Final Cut Studio e fez-se o transcoded dos arquivos para Apple ProRes422HQ. Os 10 bits dos arquivos ProRes off-line tornaram-se também a versão online do filme economizando tempo e dinheiro.
O estúdio Hollywood-DI, que finalizou o filme ficou surpreso com a qualidade das informações de cores nos arquivos da câmera.

6 COMENTÁRIOS

  1. Ótima notícia! Fatos como esse encorajam o nascimento de novos diretores e produtores em todos os cantos do mundo. Cada vez mais o cinema se torna uma realidade mais palpável.
    Depois de mais de 40 anos, a célebre frase de Glauber Rocha começa a se tornar possível: “Uma idéia na cabeça e uma câmera na mão”.

  2. Oi Armando. Lentes PL são as lentes com montagens PL. É um encaixe proprietario da Arri senao me engano, para cameras de filme 35mm inicialmente, e agora tambem são usadas das RED e Arri Alexa. As PL são muito mais caras, as PL da Arri são feitas pela Zeiss. Tem uma macro 1:1 que não existe nada parecido para fotografia, pelo menos nunca vi. Agora que da a profundidade de campo esperada…. ai ja nao sei, nunca testei, mas acho q caras mais top precisam de equipamentos top pra dar credibilidade pra coisa. Gostaria muito de ver testes reais entre essas Zeiss/Arri e zeiss para foto. Por curiosidade, a zeiss 100mm f2.0 tem ótica by Arri.

  3. sem assistir o filme é dificil dizer qualquer coisa, pois qualquer coisa pode traduzir alguma mensagem do filme, mas…nao gostei da fotografia. Acho q essa “cara” de filme ta forçado, como se fosse necessidade parecer pelicula. Canon 7D nunca sera pelicula, mas tenha orgulho ué, ou use pelicula, culpa da coloração. A iluminação alguns podem dizer que é experimental…. mas sem sentir o clima do filme, me parece defeituosa mesmo