O Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo chega à sua 5ª edição consolidado como um dos principais eventos do cenário cultural da cidade. Fruto de uma iniciativa do Memorial da América Latina, o Festlatino presenteia a cinefilia, todo mês de julho, com debates, oficinas, aulas e, claro, muitos filmes da recente e da histórica cinematografia latino-americana.

Os amantes de cinema – cerca de 16 mil por edição – assistiram, nestes quatro anos, mais de 400 filmes, entre longas, médias e curtas, divididos em panoramas que contemplaram autores consagrados, como Tomás Gutiérrez Alea, Miguel Littin, Arturo Ripstein e Jorge Sanjínes; premiados diretores contemporâneos como Carlos Sorín, Andrés Wood, Pablo Trapero, Karim Aïnouz e Lucrecia Martel; além de alunos-cineastas de escolas audiovisuais espalhadas pela América Latina.

Fernando Solanas agradece homenagem  no 3º Festlatino

Cada edição ainda prestou homenagem a um diretor ilustre que, pelo conjunto de sua obra, representa o melhor da produção do continente. Já passaram pelo tapete vermelho do Memorial personalidades como os argentinos Fernando Birri e Fernando Solanas (foto ao lado), o mexicano Paul Leduc e o brasileiro Nelson Pereira dos Santos (foto abaixo). E quem ganhou foi o público que, além de conferir as obras desses mestres, ainda pode assistir aulas-magnas proferidas por cada diretor.

Nelson Pereira dos Santos na 4ª  edição do Festival

Mostras como “A invenção do caminho” de documentários e a “A desinvenção da fronteira” com a nova cinematografia latina na 1ª edição; “O Brasil vê a América” e a homenagem ao fotógrafo Gabriel Figueroa na 2º; “Os desdobramentos do cinema-novo” e a retrospectiva da obra de Tomás Gutiérrez Alea na 3ª; “Docs musicais brasileiros” e “1990 – retomada do cinema latino-americano” na 4ª, são apenas um vislumbre do que já passou pelas salas de exibição do Festival.

E para completar, o público ainda participou de oficinas e mesas, debatendo os rumos do novo cinema do continente, o papel dos cineclubes e da tv pública, formas de exibição e distribuição alternativas, enfim, inventaram e reinventaram os caminhos de sua própria cinematografia.

É com esta bagagem que o 5º Festival de Cinema Latino-Americano desponta para mais uma festa de cinema, entre os dias 12 e 18 de julho. Na programação deste ano estão previstas exibições de longas recentes de mais de 15 países, em grande parte inéditos no país; uma retrospectiva com sucessos de público e crítica desta década;  competição de curtas-metragens produzidos em escolas de cinema e um programa comemorativo do Bicentenário da Independência da Argentina, Chile, Colômbia, México e Venezuela; além de debates, palestras e uma série de oficinas ministradas por profissionais do Brasil e do exterior.

Um dos homenageados é o brasileiro João Batista de Andrade (foto abaixo, ao lado de Fernando Birri e Fernando Leça – pres. da Fundação Memorial da Am. Latina), consagrado por “O Homem Que Virou Suco” (1980), eleito melhor filme no Festival de Moscou, e um dos idealizadores do Festlatino (quando Secretário de Estado da Cultura). O cineasta, que dirigiu cerca de 40 títulos em quase meio século de carreira, recebe agora sua primeira mostra abrangente, com exibição de títulos como “Doramundo” (1978), “A Próxima Vítima” (1983) e “O País dos Tenentes” (1987). Sua trajetória como documentarista também está representada: ”Liberdade de Imprensa” (1966), ”Greve!” (1979) e “Vlado – 30 Anos Depois” (2005) estão na programação. O festival promove ainda o relançamento, em edição ampliada, do livro “João Batista de Andrade – Alguma Solidão e Muitas Histórias: A Trajetória de Um Cineasta Brasileiro”, assinado por Maria do Rosário Caetano e editado pela Imprensa Oficial.

Fernando Birri, Fernando Leça e João  Batista de Andrade na Abertura do 1º Festlatino

Também recebe homenagem o argentino Marcelo Piñeyro, diretor de “O Que Você Faria?” (“El Método”, 2005), “Kamchatka” (2002) e “Plata Quemada” (2000), que ganha mostra retrospectiva e vem ao festival apresentar seu mais novo filme “Las Viudas de Los Jueves” (2009), inédito no Brasil.

Dentre os contemporâneos, títulos premiados festivais afora serão exibidos pela primeira vez no país. O público terá a oportunidade de assistir ao vencedor de melhor direção e roteiro no Festival de Sundance 2010, “Zona Sul”, de Juan Carlos Valdivia; e o equatoriano “Impulso” (2009) de Mateo Herrera, prêmio de melhor filme do Festival de Toulouse. Ainda se destacam o thriller psicológico “Miente” do portorriquenho Rafi Mercado, vencedor do  prêmio de melhor diretor no Havana Filme Festival de Nova York e o peruano  “Paraiso”, de Héctor Galvez, selecionado para o Festival de Veneza e vencedor do prêmio de melhor roteiro original no Festival de Huelva. “Hiroshima”, co-produção do Uruguai com Espanha, Colômbia e Argentina que mereceu estréia mundial no Festival de Toronto, é a nova realização do uruguaio Pablo Stoll, um dos diretores do consagrado “Whisky” – filme presente na retrospectiva.

A retrospectiva histórica desta edição contempla as produções latino-americanas de maior destaque entre os anos 2000 e 2009, período em que vimos o cinema do continente conquistar grande repercussão internacional. No cardápio estão presentes sucessos de bilheteria como “Nove Rainhas”, do argentino Fabian Bielinsky, visto por mais de um milhão de espectadores em seu país; “E Tua Mãe Também” (foto abaixo)do mexicano Alfonso Cuarón, indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, em 2003.  Do cineasta José Juan Campanella, diretor que levou a estatueta deste ano com “O Segredo de Seus Olhos”, foi escolhido “O Filho da Noiva”, produção vencedora de melhor filme pelo público da 26ª Mostra Internacional de São Paulo.

Cena de “E Tua Mãe Também” de  Alfonso Cuarón

Sucesso nos cinemas brasileiros, na Europa e nos Estados Unidos, “Cidade de Deus”, de Fernando Meirelles, recebeu quatro indicações ao Oscar e foi visto por mais de três milhões de espectadores no Brasil. Outro cineasta brasileiro de circulação internacional, Walter Salles assina a co-produção entre Argentina, Brasil, Peru, Chile e Estados Unidos.  “Diários de Motocicleta”, obra que obteve mais de 40 prêmios e/ou indicações internacionais. Já “O Ano Em Que Meus Pais Saíram de Férias” (foto abaixo), de Cao Hamburger, foi selecionado para o Festival de Berlim, venceu o prêmio da critica em Guadalajara, o prêmio do público no Festival do Rio e foi eleito pelo júri internacional da Mostra de São Paulo como a melhor ficção do evento.

Cena de “O Ano Em Que Meus Pais  Saíram de Férias” de Cao Hamburger

Uruguai e Peru também estão na seleção da retrospectiva. Do primeiro vem o já citado “Whisky” de Pablo Stoll e Juan Pablo Rebella (este último falecido precocemente em 2006), filme que colocou o país no circuito de cinema internacional. O peruano “A Teta Assustada” (foto abaixo) dirigido por Claudia Llosa, que venceu o Urso de Ouro no Festival de Berlim de 2009 e foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro e eleito melhor filme pelos festivais de Guadalajara e Havana.

Cena de “A Teta Assustada” de  Claudia Llosa

O Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo tem como objetivo divulgar e discutir a singularidade estética da cinematografia recente e histórica da América Latina. Realizado pelo Memorial da América Latina, o Festlatino conta desde o início com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura e é organizado pela Associação do Audiovisual.

Estão abertas as inscrições para as oficinas audiovisuais promovidas pelo 5º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, que acontece de 12 a 18 de julho no Memorial da América Latina, Sala Cinemateca BNDES, Cinusp, MIS e Cinesesc, sempre com entrada franca.

São cinco oficinas teóricas e práticas de cinema voltadas para público amplo, ministradas em espanhol e português: Estratégias de Co-Produção e Difusão; Crítica, Montagem, Direção e Criação Cinematográfica e Roteiro.

Gratuitas, as inscrições podem ser feitas de 22 de junho a 01 de julho através do endereço eletrônico oficinas@festlatinosp.com.br. Os interessados deverão enviar currículo referente à área audiovisual em português e uma carta de intenção (os interessados nos cursos de Produção e Roteiro devem enviar a carta de intenção em espanhol), com tamanho máximo de uma lauda.

As oficinas são uma realização da Cinemateca Brasileira, da Sociedade Amigos da Cinemateca e da Ciba-Cilect (Cilect Ibero América – Centre International de Liaison des Écoles de Cinema et Télèvision). O Festival é uma realização do Memorial da América Latina e da Secretaria de Estado da Cultura, com organização da Associação do Audiovisual.

Os selecionados são divulgados até 8 de julho de 2010.

Oficina “Crítica”

Professor responsável: José Carlos Avellar

Dias: 13, 14, 15 e 16 de julho de 2010, das 10h00 às 13h00

Total de vagas: 15

Local: Memorial da América Latina

José Carlos Avellar: Jornalista de formação, Avellar trabalhou por mais de vinte anos como crítico de cinema do Jornal do Brasil. Atualmente é integrante do conselho editorial da revista Cinemais e da publicação virtual El ojo que piensa, da Universidade de Guadalajara (México). É consultor dos festivais internacionais de cinema de Berlim (desde 1980), de San Sebastián (desde 1993) e de Montreal (desde 1995). Desde 2006 é também curador (com Sérgio Sanz) do Festival de Gramado. Já publicou vários livros de ensaios sobre cinema, entre eles “A ponte clandestina – teorias de cinema na América Latina”, e é co-autor de dezenas de trabalhos sobre o cinema brasileiro e latino-americano – entre eles “Le Cinéma Brésilien” (Centre Pompidou, Paris).

Oficina “Roteiro”

Professor responsável: Flavio González Mello

Dias: 13, 14, 15, 16 e 17 de julho de 2010, das 10h00 às 13h00

Total de vagas: 15

Local: Memorial da América Latina

Flavio González Mello: Mexicano, é autor de narrativas para cinema, televisão e teatro. O filme “Domingo siete”, escrito e dirigido por ele, obteve o Prêmio Ariel para Melhor Média-Metragem de Ficção pela Academia Mexicana de Cinema em 1997. Escreveu o roteiro original de “Pachito Rex”, produzido pelo IMCINE e CCC (México). Também dirigiu uma série de programas de televisão e é autor de algumas bem-sucedidas peças de teatro como “Olímpia 68” (2008), Édipo en Colofón (2009), entre outras.

Oficina “Direção e criação cinematográfica”

Professor responsável: Marcelo Gomes

Dias: 13, 14, 15, 16 de julho de 2010, das 10h00 às 13h00

Total de vagas: 15

Local: Memorial da América Latina

Marcelo Gomes:  Dirigiu diversos documentários para TV e colaborou para o roteiro de “Madame Satã”, de Karim Aïnouz, com quem dirigiu a vídeo-instalação “Ah! Se a vida fosse sempre assim”, para a 26ª Bienal de São Paulo em 2004.  Seu longa-metragem “Cinema, Aspirinas e Urubus” foi premiado na mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes 2005; melhor filme do 29ª Mostra Internacional de São Paulo e melhor filme de 2005 pela Associação Paulista de Críticos de Arte. Seu último filme é “Viajo porque preciso volto porque te amo”, em direção assinada juntamente com Karim Aïnouz.

Oficina “Tendências inovadoras na criação e produção cinematográfica

(da co-produção internacional ao cinema colaborativo) ”

Professor responsável: Joan Álvarez

Dias: 13, 14, 15, 16 e 17 de julho de 2010, das 10h00 às 13h00

Total de vagas: 15

Local: Memorial da América Latina

Joan Álvarez: Valencia, roteirista, professor e persquisador (Universidad Internacional Menéndez Pelayo, España), tendo trabalhado em diversos projetos como assessor de co-produção.

Oficina “Montagem”

Professor Responsável: Idê Lacreta

Dias: 13, 14, 15 e 16 de julho de 2010, das 10h00 às 13h00
Total de vagas: 15
Local: MIS – Museu da Imagem e do Som de São Paulo

Idê Lacreta: Uma das principais montadoras do cinema brasileiro, responsável pela montagem de filmes como: “O Aborto dos Outros” (Carla Gallo), “Ântonia – O Filme” (Tata Amaral), “500 Almas” (Joel Pizzi), “Latitude Zero” (Toni Venturi), “Por Trás do Pano” (Luis Vilaça), “Corpo” (Rubens Rewald e Rosana Foglia), “Urbania” (Flávio Frederico), “Um copo de cólera” (Aluísio Abranches), “O Pais dos Tenentes” (João Batista de Andrade), “Um Céu de Estrelas” (Tatá Amaral), “Ópera do Malandro” (Ruy Guerra), entre outros.

Serviço:
5º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo

12 a 18 de julho de 2010
Memorial da América Latina – Av. Auro Soares de Moura Andrade 664, Barra Funda
Cinesesc – Rua Augusta 2075, Cerqueira Cesar
Sala Cinemateca – Largo Senador Raul Cardoso 207, Vila Mariana
Museu da Imagem e do Som – Av. Europa, 158, Jardim Europa
Cinusp Paulo Emílio – Rua do Anfiteatro 181 favo 4, Cidade Universitária
ENTRADA FRANCA