Os prós e contras de filmar com câmeras fotográficas

Lito, diretor de fotografia, abriu esta mesa de discussão que vai falar um pouco sobre o uso das câmeras HDSLR,e para esta abertura, começou com um texto de Humberto Martins – montador, pedindo para pensarmos na captação de imagens com câmeras HDSLR, na facilidade que ela proporcionou para a realização de filmes e, brinca, dizendo que o mundo digital está acabando com a sua coluna cervical.
A Produtora Casablanca apresentou um video portfolio mostrando a necessidade de ajustes, a diferença das imagens captadas em HDSLR e a pós produção, o tratamento destas imagens. Carlos Vecchi, completa o que Lito já afirmara anteriormente, dizendo que a facilidade de captação de imagens em câmera digital, faz com que o montador trabalhe muito mais. Sergio Pasqualino, colorista da Casablanca, nos mostra a necessidade de finalizar um trabalho feito em HD, pois a imagem digital pura, “crua”, são perfeitas. Ao vê-las mais cuidadosamente, porém, completa, falta textura, cor, glamour.
Hoje em dia muitos diretores têm utilizado a câmera Canon 5D, por sua facilidade, leveza, praticidade e custo benefício. “As câmeras grandes são boas para o cinema e são boas para outros projetos também”. A vantagem deste tipo de equipamento é poder ter uma câmera versátil e acompanhar a gravação na tela, já sabendo qual vai ser a luz, se tem foco, etc, já que a partir da imagem captada não é possível fazer tantas alterações desta imagem na finalização. O problema, diz Pierre de Kerchove (diretor de fotografia), é que filma-se demais e desfoca-se demais com a 5D.

Na minha opinião falou-se muito contra e sem apresentar soluções. Se poder coloco o vídeo da transmissão ao vivo que captei. Falam só em comparação ao topo do topo. Mas esqueceram que tem muita gente que está no início ou no meio e que  para se fazer um bom filme de 200 milhões tem de se fazer um bom filme de 20 milhões, para fazer um bom filme de 20 milhões tem de se fazer um bom filme de 2 milhões, para se fazer um filme de 2 milhões tem de se fazer um bom filme de 200 mil, para se fazer um filme de 200 mil tem de se fazer um bom filme de 20 mil e para se fazer um filme de 20 mil tem de se fazer um bom filme de 2 mil reais.

5 COMENTÁRIOS

  1. É sempre assim. A conversa fica sempre lá pelo nível das impossibilidades, da técnica apurada e do imponderável. Temos sim que fazer algo de bom nível com equipamentos de baixo custo. Seu texto está perfeito.
    Nos EUA, diretores, produtores e cineastas independentes estão incentivando este tipo de equipamento, basta ver o trabalho que foi realizado pela Zacuto, juntos a Kodak e a Fuji.
    Também, fiquei sabendo que realizaram um capítulo de HOUSE, seriado que passa na TV, com uma 5D MKII. Eu particularmente sou a favor de que se produza mais e mais, e se possível a custos baixos, dando assim, oportunidades a quem está começando no mercado. O Oscar deste ano foi dado a uma produção feita com uma Super 16mm, isso é que é democracia.
    Mais uma vez, Parabéns pelo blog.

    • Ola Paulo ,obrigado, desculpe a demora a aprovar, mas passei dois dias em curitiba e não levei o note.
      Acho graça a isso mesmo cá, e depois vemos que eles usam com bastante frequencia a 5D, por ex. Fernando Meirelles (O2) (um pos patrões dos que estavam lá ) foi um dos primeiros a usar a 5D no Brasil em publicidade , caso da publicidade da volkswagen, aquela que aparecia um (alemão) na fábrica. Tenho procurado essa foto por todo o lado mas nao a encontro , onde se ve o F Mirelles com a 5D no set. O seriado Numbers tambem usou a 7D possivelmente amanhã falo disso e mostro as fotos do set.
      E mais uma vez obriado

  2. Moro em Londres e aqui virou uma febre essas cameras… São usadas muito em publicidade, curtas universitarios e até a BBC aprovou produções gravadas em HDSRLs.

    Acho tão engraçado a resistencia que muitos Brasileiros tem com tecnologias novas… O pior é que nunca levam em consideração produções que não vão conseguir alguns milhões… E sempre tentam usar a idéia de que a pós vai sair mais cara do que gravando sairia se filmasse em pelicula..

    Não acho que devemos usar as HDSLR em tudo, mas pra muita produção é muito valido, ainda mais pra quem esta começando…

  3. Para mim, não é resistência. É medo.

    Não se pode comparar ao incomparável. A chave está na versatilidade das câmeras HDSLR.

    São mais baratas e tem qualidade de imagem. Nas mãos de pessoas realmente criativas, que não tem acesso as grandes câmeras, elas podem fazer um bom estrago.

    O problema no Brasil é que ainda se pensa como a época dos grandes coronéis, onde as melhorias apareciam, mas os detentores do dinheiro diziam que os menos favorecidos não precisavam disso.

    Tá aí a BBC que abriu espaço para produções realizadas com essas câmeras.

  4. Antes, de mais nada, quando alguém se propõem a fazer um comparativo, a primeira coisa a se pensar é o critério de comparação. Eles estão comparando as DSLRs com equipamentos que custam absurdamente mais. Com uma t2i e uma boa lente, já dá para fazer graça. Quero ver pelo mesmo valor eles fazerem melhor. Abraços.