A historia de Grant Petty e da BlackMagic Design – De uma juventude pobre a um dos maiores bilionários da Australia

Em recente entrevista para a revista Forbes, Grant Petty da Blackmagic Design’s conta a trajetória de sucesso e o boom que a empresa teve com o inicio da pandemia.

“Durante todo o ano de 2020 e metade de 2021, eu estava trabalhando até as 2 da manhã todos os dias porque eu estava escrevendo o código que dirige a empresa”, diz Grant Petty, CEO e fundador da Blackmagic Design.

O bilionário de 53 anos não está brincando. Ele despreza a terceirização, então ele literalmente escreve todos os programas SQL que executam processos internos da empresa com sede em Melbourne (Austrália) de 1.500 funcionários e US$ 576 milhões em receita. Quando a pandemia começou, a Blackmagic (que fabrica todos os 209 de seus próprios produtos) precisou compartilhar peças entre suas três fábricas na Austrália, Cingapura e Indonésia. Em vez de contratar alguém, ou mesmo delegar a tarefa internamente, Petty reescreveu o software de fluxo de trabalho conectando as bases de dados do inventário.

“As pessoas vêem como um ponto fraco que eu mesmo escrevo o código”, diz ele, argumentando que, ao contrário, a Blackmagic evitou o impasse que muitas empresas encontraram ao tentar reconfigurar suas cadeias de abastecimento durante a Covid porque elas dependiam de consultores e fornecedores de software externos. “Acho que temos um enorme problema com a terceirização no mundo ocidental”.

A desafiadora e de “faça você mesmo” fazem do Blackmagic Design um projeto revolucionário comparado aos valores exorbitantes de Hollywood. Sua empresa de 21 anos é mais conhecida por fabricar câmeras de cinema profissionais de baixo custo e outros equipamentos especializados usados na televisão e na produção cinematográfica. Alem disso disponibiliza o software gratuito conhecido como DaVinci Resolve, usado para classificação de cores, efeitos especiais e para editar vídeo e áudio.

Os produtos da Blackmagic estão por trás de alguns filmes de grande orçamento, nomeados ao Oscar, como Don’t Look Up e Spider-Man: No Way Home, mas seus principais clientes são YouTubers e cineastas independentes e conscientes do orçamento. Nos últimos dois anos, esse mercado explodiu à medida que o lockdowns causaram um aumento na demanda por equipamentos domésticos de qualidade profissional.

Dezenas de filmes usam equipamentos e softwares baratos da Blackmagic, incluindo os indicados ao Oscar ‘Power of the Dog’ e ‘SpiderMan: No Way Home’.O PODER DO CACHORRO/KRISTY GRIFFIN/NETFLIX/COLEÇÃO EVERETT; HOMEM-ARANHA: NO WAY HOME/SONY PICTURES/MARVEL ENTERTAINMENT/EVERETT COLLECTION

Além dos consumidores tradicionais escolas e redes de televisão procuraram equipar o trabalho dos seus funcionários de suas casas durante a pandemia.

Como resultado a receita do Blackmagic quase dobrou ao final do ano fiscal em junho de 2019 para US$ 576 milhões, e seus lucros cresceram dez vezes, para US$ 113 milhões.
A história da BlackMagic se assemelha com a própria história de Petty.

Petty cresceu pobre na Austrália depois que seu pai, um engenheiro, se separou de sua mãe, uma artista e enfermeira, e a família se mudou para uma habitação pública.

“Lembro-me de quando me diziam para voltar para o lugar de onde eu vim”, diz Petty sobre seus anos de ensino médio, quando ele aprendeu sozinho a codificar em um Apple II. “Mas eu tinha uma obsessão por eletrônica, então eu estava posicionado no nivel mais baixo das classes sociais e pensando, ei, ninguém sabe dessas coisas”.

Depois de obter um certificado em eletrônica de uma faculdade técnica em 1991, ele acabou trabalhando em Cingapura em uma casa de pós-produção de TV onde ele fazia a manutenção dos caros equipamentos A/V que seu empregador alugava por US$ 1.000 por hora.

“Percebi que o sistema de classes que vi em minha cidade rural também aconteceu na indústria da televisão. Não era realmente uma indústria criativa”, diz Petty, observando o quão proibitivamente caro e exclusivo o negócio era. Determinado a construir equipamentos acessíveis, ele se concentrou inicialmente em cartões de captura que permitissem aos criadores de TV e cineastas transferir vídeo para os computadores pessoais para edição, em vez de usar máquinas sob medida que custam centenas de milhares de dólares.

Em 2001, Petty e o engenheiro de software Clarke fundaram a Blackmagic. Menos de dois anos depois, eles introduziram o DeckLink, um cartão compatível com Mac de 995 dólares que poderia processar vídeo não comprimido de alta definição. Seu concorrente mais próximo estava cobrando cerca de $10.000.

E não pararam por ai. Em 2009, a Blackmagic comprou os ativos da daVinci Systems, um desenvolvedor de hardware e software de coloração que passava por dificuldades financeiras e vendiam para as casas de pós-produção de Hollywood seus equipamentos a preços que variavam de $350.000 a $850.000 por unidade. “Sentimos que poderíamos fazer dele um produto de software e trazê-lo para a plataforma Mac, onde as pessoas criativas poderiam usá-lo”, diz Petty. “Quando você vai atrás de pessoas com fome e torna essas pessoas mais poderosas, você percebe que a coisa fundamental que você está oferecendo é liberdade”.

Um ano depois, ele cumpriu sua promessa. Ele trouxe um software (agora chamado DaVinci Resolve) com por preço de apenas $995. Depois de mais um ano, ele fez a versão de download gratuito.

“Os licenciadores de nuvens são como os donos das favelas”, ele se refere aos concorrentes Adobe e Avid. “Você tem que continuar comprando de mim e quanto mais você for leal, mais você será penalizado. É como se seu cachorro fizesse algo bonito e você o espancasse com um bastão”.

Apesar do software da Blackmagic agora ter uma versão gratuita que tem quase todas as funções da paga, converter editores de vídeo profissionais acostumados a outros programas legados é um processo lento. Embora o DaVinci Resolve domine na correção de cores, está muito atrás do Premiere Pro da Adobe e do Media Composer da Avid, na edição de vídeo. Suas câmeras de cinema digital, cujos preços começam em US$ 1.000 e chegam a US$ 6.000, podem ter mais chances de ganhar participação contra líderes do setor, como Arri, Sony e Red, cujos equipamentos podem custar mais de US$ 95.000.

“A Alexa da Arri, é uma espécie de padrão-ouro, e há um esnobismo geral sobre eles”, diz o diretor de fotografia John Brawley do set de Miami de Bad Monkey, uma série da Apple TV+ estrelada por Vince Vaughn. Brawley está filmando em uma Arri Alexa Mini LF, que custa US$ 60.000, junto com a câmera 12K mais cara da Blackmagic, que custa US$ 6.000. “Eu trazia [as câmeras Blackmagic] e muitas vezes havia resmungos e reviravoltas da equipe. Mas no final do show metade deles está comprando suas próprias câmeras. A Blackmagic me dá 90% de um Alexa por 10% do preço.”

A economia de custos é uma grande vantagem, pois os cineastas usam cada vez mais efeitos visuais em seus filmes. Ouça Sam Nicholson, um supervisor de efeitos visuais vencedor do Emmy, conhecido por seu trabalho em The Walking Dead , ER e Star Trek. Sua empresa, Stargate Studios, está usando câmeras Blackmagic para filmar cenários oceânicos para a comédia pirata da HBO Max, Our Flag Means Death, estrelada por Rhys Darby e Taika Waititi.

“Se você vai colocar nove câmeras em um equipamento, você deve ter pelo menos dez câmeras no local. Se essas câmeras são Alexas, você está falando de US$ 500.000. O estúdio não vai pagar”, diz Nicholson, observando que as cenas do oceano azul-turquesa de Our Flag foram filmadas em Porto Rico, corrigidas em cores no set usando o software DaVinci Resolve e transmitidas em resolução de 20k em uma tela de LED de 160 pés de largura ao redor os atores durante as filmagens em um estúdio em Burbank, Califórnia.

“Como você virtualiza efetivamente a realidade?” ele pergunta. “É preciso muitas câmeras e muitos dados. A Blackmagic e todo o seu ecossistema resolvem muitos desses problemas.”

Por Matt Schifrin 

 

Artigos recentes

Video thumbnail
PC de 2014 em 2022: Editando vídeos 4k e 6k RAW, sem usar PROXY e exportando em 4K e FullHD
26:38
Video thumbnail
Você vai querer ter este colete para suporte de câmeras: DigitalFoto Thanos SE
11:44
Video thumbnail
CaTeFo Star 500: Bons e baratos - Review dos lapelas duplos com gravador interno por menos de R$900
15:11
Video thumbnail
Como Sincronizar facilmente o áudio gravado a 44.1 KHz com vídeo de 48 KHz
17:44
Video thumbnail
Congresso SELECT MASTERCLASS 2022
04:35
Video thumbnail
Gráficos profissionais GRÁTIS para LIVE de Esportes, Igrejas, Noticias, etc em OBS, vMix, YOLOBOX
17:22
Video thumbnail
Flare cinematográfico por R$89 + Baterias baratas para câmeras Sony + Adaptadores de filtro de lente
09:10
Video thumbnail
Câmeras para Lives AIDA - Câmeras até 4K PTZ, POV, NDI
02:10
Video thumbnail
Tudo sobre a Canon R5c
03:38
Video thumbnail
NABShow 2022: Yolobox, o melhor sistema tudo em 1 para lives a presenta Max Pro e Mini
02:39
Video thumbnail
NabShow 2022: Apresentação de novos produtos da Blackmagic Design
04:17
Video thumbnail
O que deve ter em atenção antes de comprar qualquer LED + review Aputure Amaran P60c
13:37
Video thumbnail
Pocket Review: Slider motorizado com controle para câmeras e celulares por R$191
05:10
Video thumbnail
Melhor corte automático de musicas em programas de edição
09:56
Video thumbnail
Você tem o monitor e controle remoto para câmeras Sony e Canon no bolso
11:48
Video thumbnail
Todas as funções do Instagram no PC usando o Memu play
10:57
Video thumbnail
Review dos lapelas duplos sem fio mais baratos do Aliexpress, apenas R$160
12:33
Video thumbnail
Preço, qualidade e praticidade: Monitor para notebook, câmera, celular e videogame
09:57
Video thumbnail
Dicas de uso de monitores e review do monitor Desview R6 UHB
18:24
Video thumbnail
Congresso Select MasterClass 2021
04:03