Equipamentos utilizados no filme:

Red Epic, lentes fixas Carl Zeiss Planar e drone DJI Phanton II com Go Pro Hero 3.
Para edição, foi utilizado o software Premiere, colorização foi feita no DaVince Resolve e trilha sonora foi fetia no Logic X.

A produtora paulista Ritmo Visual, apresenta ao mercado uma experiência cinematográfica e sensorial utilizando a frequência beta.

“Filmes sensoriais são como poesia. Às vezes, não é preciso entendê-los completamente, e sim, senti-los. Em sua maioria, demandam atenção e certo esforço para que sejam compreendidos. São filmes feitos de sensações, e para absorvê-los, o público deve atentar-se à história e mergulhar na atmosfera ali criada. É preciso sentir a obra, sendo necessária uma boa dose de sensibilidade por parte do espectador, para que todas as nuances e aspectos carregados possam ser percebidos.

Em geral, os filmes sensoriais são aqueles que mexem com os nossos sentidos. São aqueles que sentimos em carne viva. A construção dessas obras é feita com o objetivo de penetrar nosso ser, causando um milhão de sentimentos e sensações.

Seja através da fotografia, da atuação dos atores, ou da trilha sonora da obra, que entre sussurros e músicas também preenche o roteiro, os filmes sensoriais se utilizam de todos os recursos cinematográficos possíveis para contar uma história. Nem todos são totalmente compreendidos, mesmo quando assistidos com afinco. Mas sem dúvidas, assim como poemas, filmes sensoriais são um prato cheio para os amantes da arte apreciarem e se deliciarem.”

 Frequentia é o primeiro filme totalmente sensorial, do começo ao fim. Como? Usando ondas cerebrais beta, as ondas associadas a emoções fortes, como raiva, medo, ansiedade, antecipação, foco e atenção, o filme nos guia através de uma viagem de experiência sensorial. 

 Caso você não saiba nada sobre ondas cerebrais, são ondas invisíveis que operam em diferentes frequências em nossos cérebros. Além de muitas coisas, essas ondas podem influenciar nosso comportamento ou até mesmo como nos sentimos. A paleta de cores também ajuda a criar essa atmosfera de mudança de comportamento, usando a psicologia das cores para definir os sentimentos do público. 

 O filme convida você a se juntar a Lucas Melo, um dos melhores riders de mountainboard do mundo, para enfrentar um percurso complicado. Mais do que isso, convida você a experimentar as mesmas emoções do protagonista principal.

 “Pode parecer um filme esportivo comum. Há um desafiante, um desafio difícil, uma vitória. Mas há neurociência, psicologia e essa coisa estranha de frequência que pode atrapalhar seus sentimentos. Sei que todo filme faz você sentir algo, ou pelo menos tentar, mas acho que Frequentia realmente faz isso ”, diz Pedro Marques, escritor e diretor do filme. 

Site do filme: https://www.frequentiafilm.com/